segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Ansiedade e auto-estima


Olá!
Hoje trago-vos um tema que me tem vindo à ideia nos ultimos tempos, não por apenas me afectar pessoalmente mas porque reparo que tem vindo afectar cada vez mais a sociedade hoje em dia.
Assim, decidi partilhar convosco algumas ideias, espero que apreciem =)

Porque todos temos distúrbios de ansiedade.
Muitos são aqueles (e cada vez se vê mais) que se deixam afectar pela ansiedade ao ponto de esta interferir de forma profunda e negativa em pequenas tarefas diárias do nosso quotidiano.
Tal como diz a Drª Lerner*, como seria bom ver sempre o medo como um amigo solícito, um mecanismo natural de sobrevivência que nos avisasse para fechar a porta quando o lobo espera lá fora, nos preparasse para lutar, fugir ou ficar quietos quando o lobo conseguiu entrar em casa.

O medo pode ser uma força positiva, se surgir no momento adequado e na dose correcta, se o interpretarmos correctamente de modo a defrontar um desafio presente ou uma ameaça futura, se servir de motivação positiva... mas estes são demasiados “ses”.
Quando estamos demasiado ansiosos, não conseguimos reunir a informação necessária, pensar com clareza, examinar as nossas opções, responder aos outros com calma e procurar soluções criativas.
É obvio que é dificil sentirmo-nos bem quando a ansiedade paralisa a memória e a concentração, impedindo de realizar tarefas simples e necessárias do dia-a-dia como ler, escrever, analisar ou aprender algo novo.
A ansiedade actua no nosso cérebro como um mecanismo que cria situações catastróficas e enormes dúvidas quanto à nossa capacidade de fazer coisas novas e de enfrentar o que a vida nos reserva. Estimula o nosso “pensamento negativo”. Provoca juízos e críticas.
No entanto, uma boa auto-estima também nos obriga a ver as nossas fraquezas e limitações com curiosidade, paciência e humor. Ninguém é perfeito e todos podemos melhorar.

A ansiedade destrói a nossa capacidade essencial de reflectir sobre o que pensamos. Vai interferir na percepção da nossa identidade e da dos outros. Perturba-nos e faz-nos sentir impotentes e duvidar de nós próprios.

Ora, na idade adulta, a auto-estima consegue-se através da criatividade, dos prazeres pessoais, desenvolvendo as competências e as relações, participando na amizade, na intimidade e na comunidade.
Temos de ser conscientes de que a ansiedade nunca desaparecerá, mas também é isso que se deseja.
Quando perdemos o sentido das nossas capacidades, do optimismo e do bem estar, quando nos sentimos “superiores” ou “inferiores” às outras pessoas, quando nos sentirmos críticos em relação a nós próprios e aos outros, devemos parar e lembrarmo-nos que é tudo obra da ansiedade.

*Lerner, H. nasceu nos EUA e é formada e doutorada em Psicologia.

beijocas e boa semana!

5 comentários:

  1. Ainda tenho que comentar os outros posts igualmente bons mas este chamou-me atenção em particular por gostar muito do tema. O medo e a ansiedade são sentimentos que nos ajudam e são essenciais à nossa sobrevivência. Porém, quando se tornam patológicos, devem ser correctamente tratados, sob pena de dominarem de forma negativa a nossa vida.

    BJS*

    ResponderEliminar
  2. Pois é... e como eu sei disso, por vezes essa marota, a ansiendade, não me larga o pé... raiossss.... vai-te embora ò MELGA!
    bom artigo
    beijo

    ResponderEliminar
  3. Adorei seu artigo,li com muita voracidade.Inclusive estou levei este assunto oa meu programa de TV em Curitiba Alquimia do Ser pela CWBTV, seu artigo me ajudou muito! Parabens! Melissa Lara.

    ResponderEliminar
  4. Excelente artigo!
    A anciedade causa baixo auto-estima e com isso temos dificuldades naqueles tres principais fatores: "amizade, intimidade, comunidade", assim ficamos mais governaveis, aceitamos o que nos eh imposto. E como somos afetados pela anciedade? Como trata-la?
    valeu!

    ResponderEliminar

Post It Psicológico